logoleft

Museu da Prisão da Ilha Robben

Um ícone mundial dos direitos humanos

O passado conflitante da Ilha Robben na África do Sul começa com o início do colonialismo, quando o primeiro colonizador holandês, Jan van Riebeeck, enfrentou o líder local de Khoekhoe, Autshumato. Atualmente, as suas lições são uma herança que pertence à humanidade. Elas podem ser aprendidas no Museu da Prisão da Ilha Robben.

O Museu da Ilha Robben vai além de conhecimentos históricos; ele tem uma importância simbólica não apenas para a sociedade sul-africana, com sua enorme diversidade de culturas, mas para o mundo. Além do seu histórico emocionante que se estende a partir do meio do século 17, é um símbolo da justiça, direitos humanos e autossacrifício.

Enquanto os ativistas anti-apartheid do século 20 assumiram o palco central deste conto, poucas pessoas perceberam que a história do Museu da Prisão da Ilha Robben como local de cativeiro começou 350 anos atrás com Autshumato, um membro do Khoekhoe, um grupo indígena, atualmente extinto. O primeiro colonizador Holandês a chegar no Cabo, Jan van Riebeeck, dependia de Autshumato como intérprete, especialmente no comércio de gado que sustentava a colônia. Desentendimentos culturais resultaram na expulsão do intérprete para Ilha Robben, mas ele fugiu - o único prisioneiro da Ilha Robben a realizar tal façanha.
Um tour de 3,5 horas ao museu da Ilha Robben começa em Mandela Gateway na V&A Waterfront da Cidade do Cabo, onde você pode visualizar várias exibições na ilha. Após meia-hora de viagem de trem, os visitantes são guiados pela prisão de segurança máxima, normalmente por um antigo prisioneiro político que esteve nessa prisão. Uma viagem de 45 minutos de ônibus ao redor da ilha detalha a sua história como hospital para doentes mentais, base militar e colônia de leprosos. Também há uma chance de explorar o porto da Baía de Murray com loja de museu e santuário muçulmano.
Além da sua história, a fauna e a flora da Ilha Robben são extremamente interessantes, e a conservação é outro objetivo do museu. Há 132 espécies de pássaros na ilha, algumas ameaçadas de extinção, bem como pequenas manadas de antílopes.
O museu da Ilha Robben tem um status de Patrimônio da Humanidade e é um Patrimônio Nacional sul-africano.

O Museu da Ilha Robben vai além de conhecimentos históricos; ele tem uma importância simbólica não apenas para a sociedade sul-africana, com sua enorme diversidade de culturas, mas para o mundo. Além do seu histórico emocionante que se estende a partir do meio do século 17, é um símbolo da justiça, direitos humanos e autossacrifício.

Enquanto os ativistas anti-apartheid do século 20 assumiram o palco central deste conto, poucas pessoas perceberam que a história do Museu da Prisão da Ilha Robben como local de cativeiro começou 350 anos atrás com Autshumato, um membro do Khoekhoe, um grupo indígena, atualmente extinto. O primeiro colonizador Holandês a chegar no Cabo, Jan van Riebeeck, dependia de Autshumato como intérprete, especialmente no comércio de gado que sustentava a colônia. Desentendimentos culturais resultaram na expulsão do intérprete para Ilha Robben, mas ele fugiu - o único prisioneiro da Ilha Robben a realizar tal façanha.

Um tour de 3,5 horas ao museu da Ilha Robben começa em Mandela Gateway na V&A Waterfront da Cidade do Cabo, onde você pode visualizar várias exibições na ilha. Após meia-hora de viagem de trem, os visitantes são guiados pela prisão de segurança máxima, normalmente por um antigo prisioneiro político que esteve nessa prisão. Uma viagem de 45 minutos de ônibus ao redor da ilha detalha a sua história como hospital para doentes mentais, base militar e colônia de leprosos. Também há uma chance de explorar o porto da Baía de Murray com loja de museu e santuário muçulmano.

Além da sua história, a fauna e a flora da Ilha Robben são extremamente interessantes, e a conservação é outro objetivo do museu. Há 132 espécies de pássaros na ilha, algumas ameaçadas de extinção, bem como pequenas manadas de antílopes.

O museu da Ilha Robben tem um status de Patrimônio da Humanidade e é um Patrimônio Nacional sul-africano.

 

 

Dicas de viagem e informações de planejamento

Como chegar até aqui

Pode-se chegar ao museu da prisão da Ilha Robben por balsas que partem de Nelson Mandela Gateway na V&A Waterfront da Cidade do Cabo, 4 vezes ao dia. A viagem de balsa demora meia-hora em cada percurso.

Melhor época para visita

O tour funciona durante todo o ano, apesar de o verão ser a estação com menos chance de chuva e mares agitados. A balsa não funciona quando as condições forem desfavoráveis.

Onde ficar

A Cidade do Cabo tem muitos tipos e tamanhos de acomodação, com várias opções praticas no próprio V&A Waterfront.

Adjacências

Exposições temporárias são frequentemente exibidas no Nelson Mandela Gateway, e podem ser visitadas antes da partida ou ao retornar. Ao chegar no Waterfront, certifique-se de visualizar a estátua de Mandela junto com as de outros 3 ganhadores do Prêmio Nobel da Paz - Arcebispo Tutu, Presidente FW de Klerk e Albert Luthuli.

Como viajar pelo país

É melhor agendar o Tour da Ilha Robben que inclua a balsa. O tour inclui a visita à prisão de segurança máxima na ilha, proporciona a interação com um antigo prisioneiro político, demora 45 minutos por ônibus ao redor da ilha, com comentários, e oferece tempo para explorar o Porto da Baía de Murray, onde você encontrará uma loja de museu e um santuário muçulmano.

Quanto custa

Aproximadamente R200 para adultos; R100 para crianças.

Duração da estadia

O tour dura 3,5 horas

O que trazer

Sapatos confortáveis, proteção contra a chuva no inverno, uma câmera.

Com quem falar

Museu da Ilha Robben
Telefone: +27 21 413 4220/1
(Nelson Mandela Gateway, V&A Waterfront)
E-mail: infow@robben-island.org.za

Telefone: +27 21 409 5169 (Ilha Robben)
E-mail: infoi@robben-island.org.za

Reservas antecipadas
Telefone: +27 21 413 4233 / 37
Fax: +27 21 418 3736
E-mail: rimbookings@robben-island.org.za

Tours especiais
Telefone: +27 21 411 1037
E-mail: specialtours@robben-island.org.za