logoleft

Proteção aos Pinguins

Ajudando a salvar o pinguim africano

A preservação dos pinguins na África do Sul superou vários desafios – mudanças climáticas, diminuição de cardumes de peixes e falta de habitat adequado. Mas o momento mais dramático surgiu em 2000, quando um vazamento de óleo colocou em risco a maior concentração de pinguins africanos. Os sul-africanos se mobilizaram para ajudar.

Se você forçar um pouco a visão, irá observar facilmente os pinguins africanos, parecidos com crianças de fraque.

Eles são criaturas adoráveis, sendo uma das grandes alegrias poder observá-los tão de perto, na praia de Boulder, próxima à Cape Town, onde está começando a se estabelecer uma colônia com cerca de 3.000 aves.
Mas as populações estão diminuindo há décadas. Atualmente, o pinguim africano está na lista dos animais ameaçados de extinção da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES, em inglês).
A preservação de pinguins na África do Sul tem exigido uma certa criatividade. No inverno de 2000, um navio com 1.300 toneladas de óleo afundou próximo às ilhas Robben e Dassen – santuários de preservação dos pinguins. Foi o cenário de um verdadeiro desastre.
Pinguins banhados em óleo foram salvos por centenas de voluntários da Fundação Sul-Africana para a Conservação de Aves Costeiras (SANCCOB, em inglês). Milhares de pinguins não afetados pelo vazamento de óleo foram colocados em cativeiro para impedi-los de entrar na área poluída. Mas eles não poderiam ficar presos para sempre.
Um plano inteligente foi criado. Mais de 20.000 pinguins africanos foram levados para Porto Elizabeth e, depois, soltos no mar, a cerca de 1.000 km de distância do seu lar.
Foram colocados transmissores em três pinguins e o povo sul-africano acompanhou de perto o progresso deles e dos outros pinguins no retorno ao lar, dando às autoridades 2 semanas para limpar as praias das ilhas.
Outra história emocionante é a dos ninhos dos pinguins. Os pinguins preferem fazer seus ninhos em tocas ou sob os arbustos, protegendo os ovos e os filhotes contra o calor e os predadores.
O Fundo de Conservação da Ilha Dyer teve a ideia de construir tocas artificiais para os pinguins. Depois de instaladas, foram imediatamente habitadas pelos pinguins e a reprodução foi um sucesso – um grande incentivo para a preservação de pinguins na África do Sul

Se você forçar um pouco a visão, irá observar facilmente os pinguins africanos, parecidos com crianças de fraque.

Eles são criaturas adoráveis, sendo uma das grandes alegrias poder observá-los tão de perto, na praia de Boulder, próxima à Cape Town, onde está começando a se estabelecer uma colônia com cerca de 3.000 aves.

Mas as populações estão diminuindo há décadas. Atualmente, o pinguim africano está na lista dos animais ameaçados de extinção da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES, em inglês).

A preservação de pinguins na África do Sul tem exigido uma certa criatividade. No inverno de 2000, um navio com 1.300 toneladas de óleo afundou próximo às ilhas Robben e Dassen – santuários de preservação dos pinguins. Foi o cenário de um verdadeiro desastre.

Pinguins banhados em óleo foram salvos por centenas de voluntários da Fundação Sul-Africana para a Conservação de Aves Costeiras (SANCCOB, em inglês). Milhares de pinguins não afetados pelo vazamento de óleo foram colocados em cativeiro para impedi-los de entrar na área poluída. Mas eles não poderiam ficar presos para sempre.

Um plano inteligente foi criado. Mais de 20.000 pinguins africanos foram levados para Porto Elizabeth e, depois, soltos no mar, a cerca de 1.000 km de distância do seu lar.

Foram colocados transmissores em três pinguins e o povo sul-africano acompanhou de perto o progresso deles e dos outros pinguins no retorno ao lar, dando às autoridades 2 semanas para limpar as praias das ilhas.

Outra história emocionante é a dos ninhos dos pinguins. Os pinguins preferem fazer seus ninhos em tocas ou sob os arbustos, protegendo os ovos e os filhotes contra o calor e os predadores.

O Fundo de Conservação da Ilha Dyer teve a ideia de construir tocas artificiais para os pinguins. Depois de instaladas, foram imediatamente habitadas pelos pinguins e a reprodução foi um sucesso – um grande incentivo para a preservação de pinguins na África do

 

 

Dicas de viagem e informações de planejamento

Como chegar até aqui

Do centro da Cidade do Cabo, pode-se chegar de carro em 30 minutos à praia de Boulders, um dos melhores lugares para observação de pinguins africanos no seu habitat selvagem.

Melhor época para visita

Qualquer época do ano é boa para a observação, sendo que os filhotes nascem na primavera e no começo do verão.

Onde ficar

Experimente se hospedar em uma pensão pitoresca ou na vizinha Simon's Town, uma cidade litorânea histórica, cheia de atrações e atividades.

Adjacências

Visite a cidade litorânea histórica Simon's Town, lar da Marinha sul-africana e de vários museus agradáveis.

Como viajar pelo país

Uma trilha no calçadão ao longo da praia permite que você se aproxime dos pinguins.

Quanto custa

R35 para adultos; R10 para crianças com até 12 anos.

Duração da estadia

Algumas horas são o suficiente para explorar a praia e observar os pinguins.

O que trazer

Óculos escuros e um chapéu são fundamentais. Não esqueça a câmera, pois os pinguins africanos são animais bem fotogênicos.

Com quem falar

Informações sobre turismo em Simon's Town
Tel: +27 (0) 21 786 8440
Fax: +27 21 786 8459
E-mail: simonstown@tourismcapetown.co.za